quarta-feira, 5 outubro 2022.
Quem atribui natureza sexista a uma língua são as pessoas que ecoam construções ideológicas, as quais são perpetradas com exclusiva intenção de turbinar mais uma espécie de luta de classes escondendo-se por trás de um suposto combate à discriminação de gênero.
Os números não mentem e nem confirmam as estatísticas apresentadas pelo Fantástico. Após a instituição do arbitrário Estatuto do Desarmamento os homicídios aumentaram mais de 20%. Em 2019, tivemos um aumento de 23,5% no número de armas registradas e uma queda de 20% no número de homicídios.
Há anos, o progressismo mata, por normalizar e negar tratamento a toxicômanos, obesos e pessoas trans. O objetivo é somente criar uma massa de manobra alienada e descartável, para atuar em seus “coletivos”. Qual, então, é a surpresa pela conduta que adotaram em relação à Covid? Não é um fato isolado. É um padrão de comportamento.
Toda adesão, como toda convicção política, deveria ser resultado de uma reflexão. Jamais deveríamos aderir a nada por ser de direita, de esquerda ou de centro.
O politicamente correto é um método que promove uma engenharia social. A inteligência exige liberdade, se não de expressão, ao menos de pensamento. Por isso, a burrice é o efeito imediato do politicamente correto.
Estamos em guerra contra o sistema capitalista (no sentindo natural) e o cristianismo (no sentido espiritual). Jamais devíamos ter trocado a liberdade pela segurança. Perdemos os dois e ainda estamos mais pobres.
Que antifascismo é esse que vandaliza a estátua de Churchill, o homem que venceu o fascismo na Europa? Que antirrascismo é esse que pede a cabeça de Abraham Lincoln, que aboliu a escravidão nos Estados Unidos e por isso foi morto com um tiro na cabeça?
Relativizar o belo abre espaço para que muitas outras coisas sejam relativizadas. Se a estética é relativa, todo o resto também é. Assim, a moral, com a sua subjetividade inerente, fica absolutamente vulnerável. Assim, num mundo de artistas que não fazem arte, abre-se espaço para filósofos que não filosofam. Afinal, a beleza está para arte como a verdade está para a filosofia.
A falsificação constante do passado levou os novos bárbaros a perderem o senso das proporções. Estão sem o domínio do passado, e assim estouraram essas desgraças que visualizamos. Essa catástrofe foi operada por aqueles que estão sem o entendimento da herança que possuem, faz com que pensem poder lançar ao chão todo o mundo que vivem.
A epidemia denunciou a importância de reconhecer a limitação humana. O triste foi ter de constatar que todo o sacrifício imposto foi em vão. Economias foram quebradas e famílias destruídas por nada.