A “direita limpinha” e o Fundo Eleitoral

0
130
Cena de duelo no videogame “Call of Juarez: Bound in Blood”, publicado pela Ubisoft.

Sabe aquele assunto polêmico, sobre o qual um candidato nunca deveria falar durante uma campanha política? Então… Como sou idiota, vou falar mesmo assim.

“Fundão Eleitoral” se tornou um argumento de campanha política: “Eu não uso fundão!” Para os eleitores, que veem o suado dinheiro dos impostos sendo usado para fazer propaganda política, é uma sentença maravilhosa de ouvir; mostra que o candidato tem “respeito” pelo dinheiro público. Mas, em essência, existem dois grandes erros nisso.

Primeiro: No meu caso, por exemplo, que concorro a vereador numa cidade do interior de Minas Gerais, mesmo que o partido use recursos do “fundão”, o dinheiro não chega. Até o pagamento de contador e advogado, que são obrigatórios na campanha, saem do bolso do candidato. E estou falando de um município polo regional; a maior cidade do Sul de Minas. Imaginem, então, nas menores.

Segundo: Dinheiro do fundão é do fundão! Aqui voltamos para a tecla que eu sempre bato: “O sistema é dureza, parceiro!” Quando a “direita limpinha” recusa o dinheiro do fundo eleitoral, este dinheiro é redistribuído entre os que não recusam. Ou seja: São mais recursos nos bolsos dos adversários, fortalecendo suas campanhas e aumentando as suas chances na disputa.

Imaginem que, em um duelo à moda Velho Oeste, um herói orgulhoso recusa a arma oferecida pelo juiz, preferindo ficar com a sua faca contra o revolver do oponente. Pode até dar certo em algum faroeste spaghetti, com trilha sonora do Ennio Morricone. Mas na vida real, onde o atirador não é um personagem do Clint Eastwood, com certeza o orgulho seria a sentença de morte para o competidor. É exatamente o que a “direita” está fazendo!

O Fundo Eleitoral tem que acabar! Isso é um fato inquestionável. Dinheiro público financiando campanha política é uma imoralidade. Mas a única possibilidade disso acontecer é com pessoas honestas chegando ao Congresso Nacional e mudando a atual legislação, que proíbe inclusive doações de pessoas jurídicas. Uma demagogia sem tamanho.

O sistema só muda de dentro pra fora. Ou entramos nele e, uma vez dentro, o usamos contra ele próprio, ou continuaremos sendo somente sonhadores indignados, repletos dos mais nobres ideais, reclamando que o Estado aparelhado não nos dá espaço.

Precisamos de mais estômago e menos utopia!


“Ninguém se lembraria do Bom Samaritano se ele só tivesse boas intenções. Ele possuía também dinheiro.” (THATCHER, Margareth)

Participe da conversa

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui