Homofobia ou Cristofobia?

0
631
Paul Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda na Alemanha Nazista que em artigo no The New York Times afirmou que a diferença entre comunismo e a crença de Hitler era muito leve.

Mas, ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. Apocalipse 22:15

”Se não ler as notícias é desinformado. Se as ler é mal informado” Denzel Washington, cristão e ator.
”Uma mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade”, Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda Nazista.

Ver notícias sobre igrejas evangélicas na mídia brasileira exige por parte do leitor prudência para não se deixar enganar com a narrativa maliciosamente construída para a produção de sofismas, onde o texto é sempre retirado de contexto para servir de pretexto. Aquele que não conhece, de fato, os fatos e os envolvidos terá uma visão distorcida e manipulada para ter um preconceito contra evangélicos.

Hoje na era da informação, internet, redes sociais, onde a overdose de quantidade de informação corrompe a qualidade da informação, mais importante do que a informação é a fonte da informação. Ela é fidedigna?

Em matéria do Jornal O Tempo publicada no dia 20/09/2020, Gabriel Moraes escreveu ”Ato é feito na Igreja da Lagoinha contra falas homofóbicas da família Valadão.” “Irmãos líderes da instituição fizeram declarações preconceituosas nas redes sociais nos últimos dias.” “Um grupo de manifestantes a favor das causas LGBTQIA+ realizou um ato na manhã deste domingo na porta da Igreja Batista da Lagoinha. Objetivo era chamar atenção dos membros do local e da sociedade quanto às recentes falas homofóbicas dos líderes da instituição André Valadão e Ana Paula Valadão. Segundo Thiago Santos, um dos líderes da União da Juventude Socialista (UJS) e integrante de outros movimentos, é preciso que assuntos que dizem respeito à sexualidade sejam mais dialogados dentro das igrejas. “Nós achamos que a informação é algo importante. Também há gays e lésbicas dentro da igreja, e acreditamos que a fala dos líderes têm muito poder de influenciar nos fiéis”, disse”.

No festival de mentiras a matéria ainda disse: ”O nosso principal objetivo era tocar em dois aspectos muito específicos: A Ana Paula, devido à questão do HIV como uma doença específica de homossexuais. E o Valadão, que fez uma fala homofóbica e inconstitucional, já que proibir qualquer pessoa de entrar em uma instituição religiosa por questão de identidade de gênero é ilegal, explicou”.

A matéria se referiu a uma maliciosa pergunta retórica feita por um seguidor no Instagram ao pastor André Valadão, e a uma “declaração preconceituosa” que sua irmã, a pastora e cantora Ana Paula Valadão teria feito “dias depois” durante o programa de televisão em que ela apresenta: ”A Bíblia chama de qualquer opção contrária ao que Deus determinou, de pecado. E o pecado tem uma consequência que é a morte”.

Desconstruindo as mentiras… O ato não foi feito na Igreja Batista da Lagoinha, mas fora dela na rua. Não houve falas homofóbicas da família Valadão, ou preconceituosas. Thiago Santos, um dos líderes da União da Juventude Socialista (UJS) e integrante de outros movimentos devem entender que “diálogos dentro das igrejas”, são pautados por princípios bíblicos, e a Bíblia condena a prática do pecado.

A igreja não proíbe a entrada de pessoas, o mérito não é se isso é ilegal, não é legal pessoas que não querem viver em submissão à Palavra de Deus, após serem confrontadas com o ensino da Palavra, ficarem dentro da igreja afrontando. Igreja não é local para o diálogo visando a promoção da ideologia de gênero. Qual a razão em ficar em um local que condena suas escolhas? Se um pastor fosse pregar a Palavra de Deus dentro de uma boate gay, ele seria chamado pelos frequentadores de inconveniente e idiota.

Dias depois a pastora Ana Paula Valadão não fez nenhuma declaração preconceituosa durante o programa de televisão em que ela apresenta. Sua fala foi feita em 2016, onde o texto foi retirado do contexto, ela não disse que HIV é uma doença específica de homossexuais. Se referiu ao fato histórico de que, quando surgiu, o foco inicial de disseminação foi na época a comunidade gay. Criticar sua fala é o mesmo que condenar quem fala que o Covid-19 é um vírus chinês.

Thiago Santos, o que é uma fala inconstitucional? É o que você e o movimento LGBT tentam fazer em relação à liberdade de expressão de religião e de pensamento. Nossa Constituição diz: “Art. 5º – IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.”

O que temos é um ataque cristofóbico, nossa liberdade de expressão, de religião cristã, está sendo criminalizada, por uma Ditadura da Hegemonia Cultural, onde o discurso do politicamente correto usa o movimento LGBT de viés ideológico de Esquerda no papel de vítima para atacar o Cristianismo. O que define uma democracia não é o direito ao voto. Na Coreia do Norte, Cuba e Venezuela as pessoas podem votar. Democracia é definida por liberdade de expressão.

O movimento LGBT não precisa concordar com a Teologia Cristã que condena a prática do pecado do homossexualismo. A Marcha para Jesus é a Marcha para Jesus. Passeata Gay é a Passeata Gay. Boate Gay é a Boate Gay e Igreja é a Igreja. A vida em sociedade exige que o respeito a diversidade seja reciproco. O movimento LGBT quer impor sua ideologia de gênero dentro de igrejas com a manipulação da mídia.

Participe da conversa

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui