Fobia de quê?

0
122

Os cristãos são acusados de serem “julgadores” quando manifestam indignação pelo constante deboche feito pela militância LGBT (há imensa diferença entre as pessoas e o movimento político) ao Cristianismo e seus valores, muitas vezes a frase “Mais amor, menos julgamento” é usada pelos progressistas em resposta às manifestações de repúdio à intolerância religiosa.

É característica definidora de um cristão a adesão à Bíblia Sagrada, a qual diz “julgai segundo a reta justiça”, “o mundo e as coisas desta vida devem ser julgados por vós” e “condenai as obras das trevas” – à turma do “não julgueis” recomendo a leitura do estudo detalhado feito pela página Estudos Bíblicos sobre o papel da Igreja de julgar e condenar.

Pessoas devem ser incondicionalmente amadas (o que também inclui corrigir) – até porque sabemos bem que somos todos pecadores –, porém atitudes e comportamentos devem ser julgados segundo os valores explicitados na Bíblia; e há na Bíblia algum profeta ou líder do povo de Deus que seja covarde ou frouxo? Quando manifestamos nossa indignação com as afrontas aos valores cristãos, mostramos também o fervor do nosso zelo referente às coisas de Deus e do nosso amor por Ele.

Não podemos desrespeitar as pessoas desrespeitadoras ou ofender os ofensores, mas devemos exigir respeito! Se o comportamento da militância LGBT fosse motivado por seu descolamento com os valores bíblicos, ateus e agnósticos seriam os maiores agressores da fé cristã, mas não é isso que vemos. O que motiva os movimentos progressistas, como o LGBT e o feminista, é unicamente o desejo de destruição da civilização ocidental baseada na moral judaico-cristã, como Vitor Zaparoli Borgheresi explicitou abertamente no Seminário Internacional Democracia em Colapso.

Como revelado pelo Conservadores, os números referentes à homofobia são criados arbitrariamente por grupos que lucram milhões com dinheiro público e organizações globalistas. Se a homofobia fosse um problema social verdadeiro e promovido pelo Cristianismo, todos os brasileiros já teriam presenciado gays sendo agredidos por cristãos, o que nunca ocorreu nem ocorrerá.

A cristofobia (repulsa ao Cristianismo), porém, é vista clara e frequentemente em nosso país. A mídia, além de divulgar dados falsos para aumentar a condolência com a militância LGBT, também costuma retratar cristãos negativamente em suas obras artísticas e/ou de ficção. Se ela realmente se importasse em representar minorias, asiáticos e indígenas seriam presença muito mais frequente nos meios de comunicação.

Indígenas são muito mais comuns do que casais gays, porém este ano a Natura decidiu ilustrar metade de sua peça comercial para o Dia dos Namorados com casais gays – e nenhum indígena. O departamento de marketing da empresa “politicamente correta” não se preocupou em causar identificação no público potencial, mas em desconstruir a heteronormatividade, ou seja, destruir a família tradicional (que é composta por casal – isto é, macho e fêmea – e sua prole).

Participe da conversa

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui